sábado, 30 de março de 2013

Governo teme que caos em porto piore deficit comercial

30/03/2013 - Folha de SP

Leia o Editorial da Folha de SP: A conta de US$ 4 bilhões

O caos logístico enfrentado pelos produtores de grãos que tentam escoar o resultado da "supersafra" nos portos do país causa preocupação ao governo, que teme pelo agravamento da situação da balança comercial.

Desde janeiro, o deficit acumulado já chega a US$ 5,3 bilhões, ou seja, o país importou um valor US$ 5,3 bilhões maior que o de exportações.

A dificuldade para embarcar os grãos da safra extraordinária, que ajudaria a atenuar o descompasso entre importações e exportações, tornou "impossível" estimar qual será o real resultado comercial do ano, relatam técnicos do governo.

Segundo apurou a Folha, o Ministério do Desenvolvimento trabalhava no cálculo de uma meta para as exportações brasileiras neste ano e planejava finalizar o trabalho ainda neste mês. O plano, contudo, foi abandonado.

A justificativa é que, com o caos logístico, o cenário tornou-se "muito incerto".

Nos últimos dias, os produtores de soja e milho têm enfrentado uma amargo périplo para exportar os grãos, devido a filas quilométricas de caminhões e de navios nas áreas próximas aos portos.

Como resultado, há atraso de semanas nos embarques e aumento do custo das vendas. O nó logístico já provocou até mesmo o cancelamento de encomendas por uma grande empresa chinesa, especializada na compra e na venda de grãos.

Além dos atrasos na entrega dos produtos no porto, há também baixa produtividade no embarque nos navios.

TIRO NO ESCURO

A ausência de uma meta e de uma estimativa clara para as exportações por parte do Ministério do Desenvolvimento é criticada por quem atua no setor.

"Ela funciona como um norte. A tendência é que, com ela, haja motivação maior do governo para descomplicar a vida do exportador e buscar novos acordos comerciais", afirma a advogada especialista em comércio exterior Carol Monteiro de Carvalho.

Os técnicos do governo concordam que a meta é necessária, mas afirmam que hoje qualquer projeção seria "um tiro no escuro" diante do caos nos portos. A intenção é retomar o cálculo em maio.

No ano passado, o governo abandonou em setembro a meta estabelecida de exportar US$ 264 bilhões, o que representaria crescimento de 3% nas vendas sobre 2011.

A explicação na época também foi um cenário "confuso" em razão das incertezas da crise internacional.

No fim do ano, as exportações apresentaram queda em relação a 2011. E o saldo comercial recuou 35%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário